sábado, 24 de outubro de 2009

Palavras Secas

Hoje em dia, é tudo que se precisa para ter, pelo menos, conversas racionais.
É tudo que se precisa para se conviver em sociedade!
Uma pessoa madura que tenha um pensamento que a acompanhe vale mais do que mil pessoas que não tenham uma boa linha de pensamento.

Mas não dá para compreender como uma pessoa completamente infantil lida com situações difíceis, com problemas, com a família, com os amigos, com a vida em geral...

O processo de desenvolvimento físico, normalmente, é seguido duma evolução mental, intelectual, de pensamento, que é procurado em cada pessoa!
Para se evoluir, numa sociedade e como pessoa, a maturidade é um factor importantíssimo que é preciso saber moldar ao longo do tempo e muitos não sabem.
Há falta de maturidade lusitana!

Há quem consiga disfarçar muito bem, parecem-nos pessoas super maduras.
Depois de descobrirmos, vemos que talvez sejam maduras apenas nos aspectos que lhes interessam!

Uma criança não tem um raciocínio lógico ou, racionalmente certo e deduzido.
Crianças! É o que mais aparece ultimamente! Descobrem-se imensas crianças depois da idade suposta. Aparentando, ou não, ser uma.

É necessário um exercício mental tão arrojado que muitos sentem dificuldades em executa-lo. Para muitos é até impossível.

Um ser maduro, muitas vezes, nem precisa expressar a sua maturidade por palavras, conseguimos ver em situações apertadas.
Um ser que não o é, gosta muito de dizer que é. O problema é sê-lo.

Como é possível?
Maturidade é um factor importante que nos ajuda nas escolhas da vida...
É por isso que há muitos que fazem as escolhas erradas, muitos que nem sequer querem saber, só querem ter, independentemente de ser algo de jeito ou algo sem jeito algum.

Não dá para compreender . . . Mas parece que temos de conviver com isto!

A Questão é o Saber as Respostas!

Não há muito mais para dizer depois de tudo que já foi dito, após tudo que foi passado.
Talvez até haja muita coisa a dizer, muita coisa que falta dizer, muita coisa que nem se deve dizer quando não se deve dizer.

A minha vontade luta e diz que sim, que está certo e que deve ser assim e que devo continuar.
O meu coração diz que não, que não devo mais ser assim e não deixar passar o que tem de ser de outra maneira.
Ou será ao contrário?

Há sempre que ultrapassar as fases de solidão, que se resumem a uma fase de falta daquilo que um dia tivemos e pedimos muito para voltar a ter.
Mas já se sabe que não será o mesmo e que no final, acaba!

É neste momento que o passado vem como uma rajada que nos leva, ou nos tenta levar com ele, com toda a força que tem.
O passado é forte!

Será que estes sentimentos todos pertencem ao amor que permanece aqui dentro?
Ou será que é a simples ilusão de não ter o que já tive e sentir aquela falta que me faz pensar nas pessoas que me deram, no passado, aquilo que eu precisei, mas que quando aparece alguém que dá algo parecido, já me faz esquecer?

Será possível a permanência de um pensamento na nossa mente durante tanto tempo que fica saturado e mal nos deixa respirar?
É um pensamento que nem sequer queremos ter mas quando não o temos até parece que faz falta, ou seja, voltamos a pensar.

Que estupidez!

O assunto volta em todas as conversas por incrível que isso pareça.
Tentar evitar perece inevitável porque a rajada é muito forte.

Quero voltar ao início! Da maneira como as coisas eram... Quando ainda não tinha descoberto nada acerca deste mundo de fantasia, que pintam de uma maneira, mas que na verdade não é bem assim.

Porque não conseguimos ver logo de início as duas faces da mesma moeda?
Cara, mostra a face que se vê a olho nu, a que dá para ser vista até de longe, a que se mostra, a que se quer mostrar, a face que lhe é conveniente mostrar.
Coroa, outro comportamento completamente diferente que ficava escondido por baixo de Cara, outra pessoa, outra personagem, outro papel, ou apenas, a realidade do papel e da personagem que se mostrava, novamente, em Cara.

Jardim de Flores, com pássaros a sobrevoar, ver as estrelas à luz da lua que nos banha com o seu amor...
Coisas, Momentos, Experiências que já há muito que não vejo.
O que se vê agora então?

Segredos, Mentira, Traição, Desconfianças, Violência até, O Fim...

O ser Humano, este ser tão inteligente, tão certo, tão capaz de tudo, extraordinário... como consegue ser também Impulsivo, Irresponsável, Imparcial, Incompreensível, Irremediável...

Isto é tudo tão Inexplicável!

Para tudo há uma resposta não é verdade?

Ninguém sabe sobre as suas próprias perguntas. Mas cada um sabe sobre as suas próprias respostas...