quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Hoje apaguei o teu beijo da minha janela.


Custa sentir o vazio da casa.
Já não sinto o teu cheiro na cama, o calor que o teu corpo me trazia.
A tua barba já não me pica e o meu cabelo cresce com o tempo.
A colcha não fica húmida com uma única respiração.
As gavetas da mesinha estão sempre vazias.

O sofá está limpo com a manta a cobri-lo.
Os armários da cozinha nunca estão cheios e cozinhar para um, tem um gosto diferente.
As canecas agora são só figuras engraçadas, mas não me dão vontade de rir, o elefante da carteira é apenas uma imagem e as chaves de casa não serão mais tuas, apenas minhas.
O teatro é visitado mas as minhas mãos permanecem pousadas nas próprias pernas e o meu carro imaculado.
Ligo o aquecedor todos os dias para me aquecer, a água quente do chuveiro não se esgota e agora tenho toalhas a mais para me secar.

A minha vontade de chorar é contínua, mas ainda assim, nem o melhor filme me vence.
As gravações ainda estão por ver, os livros por ler e as músicas por ouvir.
Os presentes futuros estão guardados e alguns passados, devolvidos.

Resta a lembrança do primeiro dia, do clima, da conversa, do filme, do beijo ...
A escrita não começa até que eu me lembre e eu só me lembro assim que acordo.


sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Verosímil Desejo

Quero tanto falar contigo. Não sei o que fazer. Me sinto tão só. Quero alguém que me abrace, que me ame, que me acarinhe.
Gostava que estivesses aqui e que o teu corpo me desse o aconchego que eu preciso para me fazer sentir seguro.
Tenho vontade de chorar, adormecer com lágrimas que escorrem dos meus olhos para o travesseiro.
Quando é que vou ter a oportunidade de te ter, de te ver, de te sentir…
Quero um amor que me renove. Quero um friozinho na barriga. Quero um sorriso que não vai embora. Quero a minha vida preenchida de momentos felizes. Quero você aqui.
Abro os olhos e só vejo o mesmo quarto, os mesmos objetos, as mesmas pessoas, os mesmos lugares… Volto a me entristecer com o que me apresentam, com o reflexo de uma sociedade suja, a verdadeira face dos que se entitulam, o espelho.
Não preciso de ti, preciso do conforto de um sentimento puro e da manifestação de uma agradável presença. Procuro poupar o que resta da inocência que um dia tive e se perdeu. Tento não me perder na imensa escuridao do que me rodeia.
Não desejo a ninguém muitas desgraças.
Por vezes alcanço a realização de não pensar no passado mas a tentativa de chegar ao teu futuro é sempre incerta e o descorajamento costuma ser grande quando não se tem o que pensar para além do mesmo.
Não te encontro quando quero e não te tenho porque assim nao se quer ainda. Pois quando estiveres do meu lado só peço, por um momento que seja, que não me perguntes nada. Apenas me abraces, me beijes, me ames …

terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Everything is not OK


When my weight becomes Unbearable;
When I feel Trapped;
When I feel like I can't Stand.
That's when I know that something's Wrong.

We try so hard to tell ourselves that we're fine,
Only to realize that something's missing.

Life's perfect, just the way it is ...
Well, not always.

Sometimes we need to stop pretending,
Be honest, tell the truth, say what's on our minds.

I wish it was that simple ...


segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Metade


"Que a força do medo que tenho
Não me impeça de ver o que anseio.

Que a morte de tudo em que acredito
Não me tape os ouvidos e a boca,
Porque metade de mim é o que eu grito
Mas a outra metade é silêncio.

Que a música que ouço ao longe
Seja linda ainda que tristeza.
Que a mulher que eu amo seja p'ra sempre amada
Mesmo que distante,
Porque metade de mim é partida
Mas a outra metade é saudade.

Que as palavras que eu falo
Não sejam ouvidas como prece
E nem repetidas com fervor.
Apenas respeitadas,
Como a única coisa que resta
A um homem inundado de sentimentos,
Porque metade de mim é o que ouço
Mas a outra metade é o que calo.

Que essa minha vontade de ir embora
Se transforme na calma e na paz que eu mereço.
Que essa tensão que me corrói por dentro
Seja um dia recompensada.
Porque metade de mim é o que eu penso
Mas a outra metade é um vulcão.

Que o medo da solidão se afaste,
E que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável.
Que o espelho reflita em meu rosto um doce sorriso,
Que eu me lembro ter dado na infância,
Por que metade de mim é a lembrança do que fui
A outra metade eu não sei.

Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
Pra me fazer aquietar o espírito.
E que o teu silêncio me fale cada vez mais,
Porque metade de mim é abrigo
Mas a outra metade é cansaço.

Que a arte nos aponte uma resposta
Mesmo que ela não saiba.
E que ninguém a tente complicar,
Porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer,
Porque metade de mim é plateia
E a outra metade é canção.

E que a minha loucura seja perdoada,
Porque metade de mim é amor
E a outra metade também ..."

O. Montenegro

terça-feira, 30 de julho de 2013

Incômodo


Um destino,
Uma escolha,
Uma circunstância,
Um estado que vai contra o Estado.

O amor e a verdade são as únicas condições desejadas.
A espiritualidade de um pensamento livre,
Contra a incompreensão de uma mente ignorante.
Nos seus olhos, nunca faltará a esperança de um dia melhor.

Eles apenas se olham, se julgam, se inferiorizam.
Eles se entregam, uma outra vez, acreditando.
Sem mentiras, sem revoltas,
Sem intimidade que os salve.

Se ao menos fosse fácil...

Duas peles, que temem pelo seu lugar na sociedade.
Dois indivíduos que se encontram, se conhecem, se tocam.
Duas mulheres que se expressam através da dança.
Sem a necessidade de palavras,
Sem vontade de ter que lutar para serem felizes,
Elas se amam em silêncio.
Elas se tornam únicas e belas.

Nós escolhemos o amor.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

SEM TI - MENTOS !? .COM "FUNDEM"


Numa infância onde o caminho para a segurança é o isolamento, qualquer criança se fecha do mundo à procura de um canto que lhe dê conforto, compreensão, carinho...

Procurando ultrapassar fases de indecisão, incertezas e intolerância, lidar com as emoções, torna-se um percurso atribulado, minado pelas circunstâncias da vida.


 - Expressar seja o que for é uma incógnita.

Processar a informação de forma calma e meticulosa é complicado. 
O nervosismo e o constrangimento tomam conta do ser, impedido-o de ver claramente.

A utilização do riso como escape é o remédio encontrado por muitos.

A procura por uma paixão que liberte é incessante.

O incomodo perturba as melhores mentes...

Failed Fairytale


Foi naquele momento que muitas coisas fizeram sentido.
Ali, eu soube muito mais do que devia, mais do que queria...
Me senti atropelado por um lutador de boxe,
Que me derrubou num só golpe.

Como se fosse uma das ações mais comuns da sociedade actual,
O que tentava fazer não era algo que chamasse a atenção.
Mas as circunstâncias me fizeram estremecer tanto,
Que parecia tentar manusear um simples aparelho eletrónico,
Mas sem sucesso algum...

Me questionava sobre o que era certo ou errado,
Sobre a minha vida e o que pensava que sabia.

A impressão que tive foi que passaram dias,
Pois passou um turbilhão de pensamentos pela minha cabeça.
Na verdade, eu fiquei sentado durante alguns segundos apenas.

Tinha a sensação de estar num mundo paralelo.
Os ruídos exteriores eram abafados até ao completo silêncio.
E eu permanecia imóvel, mas com uma destreza fenomenal.

Um de cada vez e com uma lentidão arrebatadora,
Todos os pilares que seguravam o meu teto iam caindo...
E eu que pensava conhecer a minha própria sombra,
Fiquei perdido na escuridão de um imenso vazio.

Fora do meu campo de visão, audição ou atenção,
Tu permanecias intacto, como se nada tivesse acontecido.

Num universo que só me era permitido ver de longe,
O sol e a lua continuavam a rodar à tua volta...
Mas quando te apercebeste da minha existência,
Eu já tinha conhecimento da falta da tua, em mim!

sexta-feira, 12 de abril de 2013

Y O U R P L A C E


I did'nt wanna leave your bed,

But I had to go and you had to stay! 

We hugged and kissed like it was our last time.

I felt it all...

You accompanied me to the door,

We looked at each other and we knew

That it wasn't our last goodbye.

But still, 

I wanted to stay!

You oppened it,

I said something funny and got into the elevator. 

I left.

Although I wanted to stay!
And you wanted me to stay with you...


quinta-feira, 21 de março de 2013

De Partir o Coração


Por segundos pensei que estava errado, que deveria calar-me.
Voltar atrás no que dizia, porque era tudo supérfluo.
Pedir desculpa ...

Um pensamento que desapareceu com a certeza de que pronunciava a minha verdade.
Aquela que há muito queria que ouvisses,mesmo que repetida. 
Querendo acreditar que a forma como as dizia pudesse influenciar o seu impacto, disse cada palavra com a maior firmeza que pude. 
Sem pensar e sem pausas soltei tudo o que tinha, num discurso que pareceu tão perfeito que poderia ter sido escrito pelo melhor dos dramaturgos e estar a ser representado pelo melhor dos atores.
Tudo se encaixou numa sequência que só terminou com a repetição da frase que me derrubou.
Deixei-te sem palavras ao terminar as minhas ...

De repente, senti uma dor no peito e não me consegui segurar. Caí como se desmaiasse em consciência.
Apercebeste-te da minha condição e em menos de um piscar de olhos já estavas do meu lado.
Agarraste-me com um abraço forte e não me largaste durante algum tempo.
Acredito que sentias o arfar do meu peito contra o teu. O meu coração batia forte e ainda me recompunha, respirando da forma mais calma que conseguia.

Já não me lembro se balbuciava algo por entre o soluçar, se eras tu que me segredavas algumas palavras, ou se apenas ficámos ali um tempo, respirando a imensidão do vazio que ficara naquele quarto.
Uma imobilidade parcial tomou conta de nós e nos fez permanecer ali sentados. 
Foi dos únicos momentos em que senti que me amavas e que poderia contar contigo para tudo ...

Separámos os nossos corpos mas as nossas mãos continuaram entrelaçadas.
Queria ter aquele momento para sempre, mas ambos sabíamos que não era possível.
Olhando nos olhos um do outro, percebemos que tinha chegado o momento.
Daí proveio o que acredito ter sido a conversa mais sincera que tivemos.
Enquanto abria o meu coração para ti, concentrava-me nos teus olhos.
E enquanto me confortavas e fazias sentir querido, fitava o jeito como os teus lábios se mexiam.
Cada palavra era pronunciada de forma a desejar a minha completa atenção.
Cada som era sublinhado e cada frase digna de ser escrita em pedra.

Não me lembro bem do que aconteceu de seguida ...
Não sei se fui logo embora ou se fiquei para saborear melhor o momento.
O que eu sei é que por mais que desejasse que certos sonhos se tornassem realidade, muito desejei que a realidade desse dia se tivesse prolongado para o resto das nossas vidas.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

Diálogo


Fui capaz de te ver, mesmo sem te sentir.
Mas apenas quando te senti, é que te pude ver realmente.

Gostava de te ter perguntado porque choravas,
Quando me apercebi que também o fazia e não sabia porquê.

Deixei então que o tempo passasse,
Para tentar perceber se os nossos corpos nos dariam a resposta.

Desviei o olhar e não fui capaz de o reaver.
Por instantes pensei ter perdido o seu toque,
Mas ainda sentia o seu calor.
Pensei que tudo tinha sido um sonho,
Mas depois me reintroduzi na realidade...

Por mais que eu quisesse, não conseguia largar.
E tu, tão desprendido da vida e de emoções,
Não deixaste, nem por um segundo,
Que os nossos corpos se separassem por completo.

Ambos procurávamos algo que desconhecíamos.
Respostas a perguntas que não fizemos.

De repente, fitá-mo-nos durante algum tempo.
Percebendo o que aquilo significava, mas sem o expressar.
Os olhares diziam tudo aquilo
Que os nossos lábios não eram capazes de pronunciar.

Num momento te perdi e pensei que já não sabias,
Mas quando voltaste, a certeza voltou contigo!

Por mais que nenhum de nós quisesse aceitar a verdade,
Esta era mais clara e simples do que nós alguma vez tínhamos sido.
E o silêncio era abrasador, mas tudo soava como um grito...